Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mini-saia

O blog de Mónica Lice.

22
Mai17

Vertbaudet primavera-verão'17

Mónica Lice

EXTRA_COUV_091_06_EXTERIEUR_107.jpg

 

Desde que fui mãe que passei a vibrar (e muito) com as roupas e as coleções infantis. Antes passavam-me literalmente ao lado, mas, agora, dou por mim a comprar mais para a Laura (e, já, para a Emília), do que para mim.

 

Acho que é normal acontecer, até porque as crianças estão sempre a crescer e, no caso da Laura, precisa de um guarda-roupa novo a cada nova estação.

 

É, por isso, que tento ir vendo as novidades, percebendo o que mais gosto e fazendo logo uma pré-seleção, até porque já percebi que as peças mais giras são as que mais rapidamente esgotam.

 

Neste exercício, a Vertbaudet ocupa há já muito tempo um local especial nas nossas escolhas. Fico sempre rendida às novidades, e fã de várias peças de roupa, mas também dos sapatos - nomeadamente da coleção em pele, que garante qualidade e o máximo conforto para os pés em crescimento da filhota.

 

Para terem uma ideia, nesta coleção, fiquei rendida aos jeans à boca de sino e às culottes rosa, para a Laura, que já estão no guarda-roupa e que são lindos de morrer.

 

Lindas são também estas sandálias vermelhas, com um moranguinho no topo, que vão combinar na perfeição com este vestido em print floral, que aguarda no guarda-roupa a oportunidade certa para sair à rua.

 

Outra das coisas que aprecio na marca são os interiores - os bodies Vertbaudet são os que mais uso na Laura, desde bebé. Compro sempre em lotes de 3 ou de 5, acabando por compensar bastante.

 

Quanto à Emília, já estão guardadas e à sua espera algumas peças da coleção BIO, que garante a máxima qualidade e conforto para os nossos bebés.

 

Claro que a marca vai muito para além da roupa - a decoração para quartos de bebés e crianças é linda de morrer! Para além da roupa de cama, que gosto e recomendo, mudei o tapete do quarto da Laura, tendo escolhido um modelo cinza (este, com estrelas) e juntei umas caixas de arrumação, que, para além de giras, dão um jeitão na estante!

 

Deixo-vos com algumas imagens da coleção, com algumas das minhas peças preferidas da mesma...

 

P.S. Não falei da roupa de pré-mamã, mas vale a pena ter a coleção da marca debaixo de olho. Tem uma ótima relação qualidade-preço e está cheia de peças giras.

 

30-70204_0539_6346_PO_FA_043_EC_OF39.jpg

 

30-70216_0023_6400_PO_FA_70009_0243-2675+2787+3009_EC_EC2P.jpg

Captura de ecrã - 2017-05-16, 19.36.38.png

 

70023_0434_6630_PO_FA-2927.JPG

 

30-70208_0521_6423_PO_FA 70213_0371_6348_PO_FA_110_EC_EC2P.jpg

 

Acompanhe também as novidades no Facebook e no Instagram (@monicalice).

19
Mai17

Amigos da Quinta

Mónica Lice

aq.jpg

 

Uma das paixões da Laura, desde há muito tempo, são os animais (sobretudo os domésticos). Nos Açores, quando vamos de férias, tem a sorte de os ter por perto, na quinta dos avós, e não se cansa de os visitar todos os dias, faça chuva ou faça sol.

 

Em Lisboa, é tudo mais complicado a esse nível, mas, entre quintas pedagógicas, que visitamos sempre que possível, há também os livros e, claro, os peluches, que tornam as brincadeiras com animais bem mais fáceis e divertidas (o nosso apartamento é pequeno para ter cães ou gatos).

 

Por isso mesmo, quando ela conheceu os Amigos da Quinta do Lidl foi um caso sério de amor à primeira vista. Os peluches são mesmo fofinhos e lembro-me que o pintainho e o porco foram dos primeiros animais da coleção que mais lhe chamaram a atenção. Agora, que já tem os outros, delira com todos, e brinca até se cansar com os mesmos.

 

Para além dos peluches terem muita pinta - apetece ter todos - vale a pena destacar o carácter didático da coleção. A mesma é também composta por cartas, que ajudam a passar ensinamentos preciosos sobre estes animais, com perguntas e factos interessantes sobre a vida na quinta.

 

Para quem também anda a colecionar, os eventos de trocas, que o Lidl tem levado a cabo aos fins de semana, são um bom pretexto para, não apenas terminar a coleção, como também passar um bom bocado com os miúdos. E cada evento é recheado de muitas atividades: ateliers de artes, hortas em formato pequeno e jogos grandes, para que possa entrar toda a família.

 

Ah, e não se esqueçam que a campanha termina a 4 de junho! E funciona da seguinte forma: por cada compra de €10, recebemos uma saqueta com um ponto e uma das 36 cartas disponíveis para compilar o álbum (disponível por €1,99).  E cada peluche pode ser adquirido através de duas modalidades: com 6 pontos e €9,99 ou 14 pontos e €2,99.

 

aq2.jpg

 

aq1.jpg

 

aq3.jpg

 

Acompanhe também as novidades no Facebook e no Instagram (@monicalice).

16
Mai17

Kids Market primavera-verão'17

Mónica Lice

Captura de ecrã - 2017-05-12, 17.35.12.png

 

No próximo fim de semana, em Lisboa, todos os caminhos vão dar às Cavalariças do Pestana Palace e a mais uma edição do Kids Market.

 

Este mercado, para miúdos e graúdos, organizado pela blogger Filipa Cortez de Faria, do Blog My Happy Kids, já vai na sua 11.ª edição, e destaca-se, não só pelos desfiles que contempla na sua vasta programação (desfiles esses em que as crianças são estrela), como também pelo seu cariz solidário.

 

Para terem uma ideia, nesta edição, o valor da entrada, mínimo de €1, reverte a favor da Corações com Coroa. Esta é uma Associação sem fins lucrativos, de Catarina Furtado, que apoia pessoas e famílias em situação de vulnerabilidade social, e que tem um projeto direcionado a mães com carências, projeto esse para o qual reverterá todo o valor angariado nas entradas.

 

São cerca de 70 as marcas que vão estar presentes, 100% nacionais, de roupas e acessórios infantis e para adultos. Tudo com muita pinta e escolhido a dedo para Filipa!

 

Para além disso, está prevista animação infantil, bem como atividades para bebés, crianças, mamãs e grávidas.

 

Fica a dica, em jeito de sugestão de fim de semana. Vemo-nos lá?

Acompanhe também as novidades no Facebook e no Instagram (@monicalice).

15
Mai17

Uma "casa longe de casa"

Mónica Lice

fund1.jpg

 

Como açoriana que sou, senti algumas vezes na pele o preço da insularidade. É verdade que nascer e crescer rodeada de mar, num local lindíssimo, onde a natureza é rainha, é maravilhoso, mas não nego que existiram alturas complicadas, em que apetecia viver junto de grandes cidades, com boas infra-estruturas, como grandes universidades ou hospitais.

 

Concretizando, quando tinha 6 anos, o meu irmão, mais novo do que eu, teve um problema de saúde que não obteve tratamento adequado no Hospital de Angra. Nessa altura, os médicos que o acompanhavam decidiram, e em boa hora, que ele tinha que vir para Lisboa o quanto antes, para, aqui, ser tratado.

 

Para além da tristeza de ver um irmão ir para longe, na incerteza de ter ou não tratamento (felizmente teve e correu tudo bem), calhou a viagem ser na altura do Natal e Ano Novo. Ora isto acabou por tornar aquela data particularmente triste para todos - sobretudo para ele e para a minha mãe, que com ele viajou e que teve de ficar numa pensão, algures na baixa de Lisboa.

 

Infelizmente, naquela altura, ainda não existia uma Casa Ronald McDonald (fundada pela Sistemas McDonald’s Portugal, contando com o apoio desta, dos franquiados e restaurantes McDonald’s e de muitas outras empresas e instituições, bem como da própria sociedade civil), junto ao Hospital D. Estefânia, que só foi inaugurada em 2008. Se existisse, talvez a minha mãe e o meu irmão tivessem tido a sorte de lá ficar, aconchegados numa cidade que não era a deles, e longe de quem mais os estimava.

 

É, por isso, que olho sempre com especial carinho para esta Casa, quando por lá passo. Sei que há muitas famílias açorianas que vão para lá, quando os filhos, crianças, vêm para Lisboa, com os mais diversos problemas de saúde.

 

Por isso mesmo, não podia deixar de partilhar por aqui a mais recente campanha lançada pela McDonald’s e pela Fundação Infantil Ronald McDonald, por ocasião do Dia da Família, que se celebra hoje, 15 de maio. 

 

Com o intuito de dar a conhecer a ação desta e da Casa Ronald McDonald do Porto, inaugurada um pouco depois, que recebem, gratuitamente, famílias com crianças em tratamento hospitalar longe da sua zona de residência, a Fundação criou a história da Maria e do Pedro e, a partir dela, deu vida a bonecos de pano, que estão a ser vendidos, e cujas receitas revertem a favor da Fundação, sempre com o intuito de criar uma casa longe de casa.

 

Em traços gerais, é esta a história (que podem espreitar, de forma animada, em: www.casaeondeestaonossocoracao.pt):

  • Era uma vez uma menina, a Maria, que passava os dias a brincar com a sua irmã Joana, e o seu cão Orelhas. Um dia, a Maria ficou doente, e teve que ir para um hospital longe de sua casa. Foi nessa altura que conheceu a Casa Ronald McDonald, que ficava perto do hospital e onde ficou durante o tempo do seu tratamento. A Mãe e o Pai da Maria estiveram sempre com ela, porque esta Casa era uma verdadeira “casa longe de casa”. Na Casa Ronald McDonald, a Maria conheceu o Pedro, um menino que também estava doente e que andava sempre vestido de pirata. Assim, disfarçava a sua doença e fazia rir as outras crianças! Passado algum tempo, a Maria e o Pedro receberam boas notícias: já estavam bons e cada um poderia regressar à sua casa. A Maria acha que ficou boa tão depressa porque, quando ficou doente, a mãe fez-lhe um coração em tecido que nunca largava pois dava-lhe muita coragem e amor. Ainda hoje o guarda, porque o faz lembrar o seu amigo Pedro. E ficaram amigos para sempre!

 

Desta história bonita nasceram as personagens que integram a coleção Solidária da Fundação Infantil Ronald McDonalda Maria, o Pedro, a Joana, o Orelhas e o Coração. As mesmas (feitas à mão por artesãs, que utilizam

retalhos de tecido 100% portugueses) podem ser adquiridas nas Casas ou no site presentes.pt.

 

Fica a dica e a sugestão! Vale a pena apoiar esta causa e levá-la mais longe. Até porque as duas Casas, no total, já acolheram mais de 1600 famílias, de todo o continente e dos arquipélagos dos Açores e da Madeira, e espera-se que acolham muitas mais.

 

Para quem quiser ajudar, aqui ficam outras formas de apoio possível:

1. Fazendo um donativo para o NIB 0033 0000 45237180349 05 (ao abrigo do Estatuto dos Benefícios Fiscais).

2. Colocando um donativo nas caixas-mealheiro existentes nos restaurantes McDonald’s, que se

destinam a recolher donativos da sociedade civil.

3. Oferecendo-se como voluntário para uma das Casas Ronald McDonald, ajudando na dinamização

de atividades ou outras tarefas que visem a promoção do bem-estar das famílias das Casas.

4. Oferecendo donativos em géneros às Casas Ronald McDonald.

5. Fazendo “gosto” na página de Facebook e partilhando com os amigos (em www.facebook.com/fundacaoronaldmcdonald).

 

fundação (1).jpg

 

 

Acompanhe também as novidades no Facebook e no Instagram (@monicalice).

Sigam-me

No facebook

Escrevam-me:

Captura de ecrã - 2016-02-17, 12.17.17.png

aminisaia@gmail.com

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D